< Voltar ao Banco de Projetos

Certificado de Reconhecimento

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: PRESERVANDO TODAS AS FORMAS DE VIDA

Ano / Edição: 2017
Município: Nova Tebas
Função de Governo: Gestão Ambiental

Diagnóstico

Com o crescimento desordenado do desmatamento, observa-se a necessidade da preservação, baseados nesse fator foram criadas as unidades de conservação (UC) que são uma forma de conservação in situ criada como medida para combater o decréscimo nos índices de biodiversidade nos ecossistemas. Porém, não basta apenas preservar, é preciso criar meios para que o homem se relacione com esses ambientes, sem prejudicá-los, também é importante resgatar esses locais de uma forma benéfica, tanto para o ser humano quanto para o ambiente florestado. O elenco de objetivos de conservação adotado em um país evidencia a necessidade de que, em seu conjunto, as unidades de conservação sejam estruturadas em um sistema, que tenha por finalidade organizar, proteger e gerenciar áreas naturais. No caso de algumas categorias de áreas protegidas, também representam uma oportunidade de desenvolvimento de modelos de utilização sustentável dos recursos naturais. Quanto aos valores estéticos e culturais, oferecem condições para sua proteção e conservação. No Brasil o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) está desenhado de modo a ordenar as áreas protegidas nos níveis federal, estadual e municipal. No SNUC as diversas categorias de unidades de conservação são diferenciadas, embora contribuindo, todos, para que os objetivos nacionais de conservação sejam atingidos. Este Sistema constitui-se, portanto, em um instrumento amplo e integrado, que visa garantir a manutenção dos processos ecológicos, representados em amostras dos diferentes ecossistemas do país. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação é o instrumento organizador das áreas naturais protegidas que, planejado, manejado e gerenciado como um todo é capaz de viabilizar os objetivos nacionais de conservação.

Descrição

O município apresenta três estações ecológicas municipais: ESTAÇÃO ECOLÓGICA MUNICIPAL REINALDO PETRECHEN, Foi criada no dia 26 do mês de abril de 2013, foi criada a Unidade de Conservação de proteção Integral na categoria de manejo de Estação Ecológica Municipal, uma área total de 260,34 hectares, localizada dentro do Município de Nova Tebas na fazenda Santa Luiza. A mencionada Unidade de Conservação em sua maior parte é composta por floresta secundária em ótimo estado de conservação que constitui a vegetação de floresta alta, e alguns pontos com vegetação de floresta baixa, variando de floresta, capoeirão e capoeira, nos pontos mais alterados. Nas áreas com formação de floresta são observadas espécies da Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Semidecidual, sendo observadas árvores de Pinheiro-do-Paraná (Araucaria angustifolia) e Peroba-Rosa (Aspidosperma polyneuron), existe também na área diversas Palmeiras, entre elas podemos destacar o Palmito-juçara (Euterpe edulis) o qual apresenta grande nível de ameaça pelo seu significativo potencial econômico. ESTAÇÃO ECOLÓGICA ORLANDO SANCHEZ, foi criada no dia 28 de abril de 2015, a unidade de conservação que se trata de uma área de terras, coberta por vegetação nativa, com 1.210.000,00 m2 (um milhão, duzentos e dez mil metros quadrados), equivalentes a 50 (cinqüenta) alqueires paulista. A área apresenta algumas nascentes em seu interior é margeada pelo Rio Corumbataí e banhada por pequenos córregos, em especial pelo Rio Tigre que é afluente do Rio Corumbataí, que somados são de suma importância para garantir a presença de animais uma vez que facilita o acesso aos mananciais de água sem precisar sair do ambiente de floresta. ESTAÇÃO ECOLÓGICA JOÃO DASKO, criada no dia 24 de abril de 2015 com área de terras totalmente coberta por vegetação nativa com 76,8253 há (setenta e seis hectares virgula oito mil duzentos e cinqüenta e três metros quadrados) equivalentes a 31,7460 (trinta e um virgula sete mil quatrocentos e sessenta) alqueires paulistas. Estas áreas se apresentam de fundamental importância para a conservação e preservação dos organismos ali existentes, pois foi observadas uma rica fauna e flora que por si só justificaria um regime de proteção maior pelo poder público.

Objetivos

Gerais:

No nosso município foram criadas as ESTAÇÕES ECOLÓGICAS que tem como objetivo a preservação dos ecossistemas naturais abrangidos, a realização de pesquisas científicas e de atividades de conscientização, educação e interpretações ambientais, proporcionando a proteção integral da diversidade biológica existente na área e facilitando a conectividade entre os remanescentes florestais e certamente atende a doze dos trezes objetivos Nacionais de Conservação da Natureza previstos no Sistema Nacional de Conservação Brasileiro.

Específicos:

• Divulgação das UCs com uso de panfletos informativos; • Elaboração do plano de manejo; • Controle e erradicação de plantas exóticas; • Manutenção e sinalização de trilhas internas; • Manutenção e confecção de Aceiros; • Manutenção e sinalização externas; • Plano de coleta de lixo jogado nos limites da UC; • Combate à pressão da caça e pesca na UC; • Plantio de mudas em áreas degradadas;

Metas a atingir:

A criação da Unidade de Conservação municipal proporcionou ao município de Nova Tebas um grande salto no sentido socioeconômico e ambiental, propiciando condições aos seus cidadãos de poderem usufruir dos benefícios destas áreas protegidas não apenas para a presente geração, mas sim para as futuras gerações no desenvolvimento de ações práticas e pontuais sobre a ecologia do município de Nova Tebas e região.

Cronograma

Físico:

Para a realização do projeto foi adquirido três áreas para criação das Unidades de Conservação, com o investimento de R$ 2.556.708,77 (Dois milhões quinhentos e cinqüenta seis mil, setecentos e oito reais e setenta e sete centavos). Uma destas áreas já está quitada no valor de 1.225.390,00 (Um milhão, duzentos e vinte cinco mil e trezentos e noventa reais), as outras duas áreas estão sendo pagas mensalmente de acordo com critérios estabelecidos pelo IAP- Instituto Ambiental do Paraná, com prazo para quitação de aproximadamente 06 (seis) anos.

Financeiro:

Pagamento de estagiárias que realizam as pesquisas nas unidades de conservação e funcionários que fazem manutenção da área, construção da casa do chefe de equipe na Unidade de Conservação, reformas de cercas, instalação e manutenção de sinalização.

Orçamento:

DE NOVA TEBAS MAIO/2016 à ABRIL/2017 DESCRIÇÃO VALOR Pagamento da área  Reinaldo Petrechen R$ 318.915,09 Recursos humanos  Celso da Silva  Pedro Gularte Netto  Claudinei Andre dos Santos  Domingos Gregorio de Campos  Ademar Fernandes Pereira  Jussara Strugal dos Santos Ribas R$ 75.748,09  02 Estagiárias UTFPR – Abril a Novembro R$ 6.400,00 Combustível  Gol ANK-1175  Roçadeiras R$ 4.398,60  Uniformes R$ 7.600,00  Placas de sinalização R$ 6.120,00  Equipamentos e material de limpeza R$ 7.931,00  Materiais de expediente R$ 4.386,00  Aditivo convenio saúde utilizando recursos livres R$ 227.000,00 TOTAL DE INVESTIMENTOS R$ 658.498,78

Beneficiários Diretos:

Os beneficiários diretos do recurso do ICMS Ecológico, qual é diretamente encaminhado 15% para a saúde e 25% para a educação. Destinados também em torno de 17 mil reais por mês para o Aterro Sanitário Municipal.

Beneficiários Indiretos:

Natureza, compreendendo a preservação, a manutenção, a utilização sustentável, a restauração e a recuperação do ambiente natural, para que possa produzir o maior benefício, em bases sustentáveis, às atuais gerações, mantendo seu potencial de satisfazer as necessidades e aspirações das gerações futuras, e garantindo a sobrevivência dos seres vivos em geral; As unidades de proteção integral promovem benefícios indiretos à população local e a sociedade nacional, por manter abertas as opções futuras de aproveitar os recursos da biodiversidade, os serviços ambientais e a possibilidade de novas descobertas científicas transcendentes para a humanidade, assim o ICMS ecológico vem beneficiando o município em um todo.

Resultados:

A Criação das Unidades obteve muitos resultados positivos, garantindo o ICMS Ecológico que vem parte diretamente para educação e saúde que manteve convênios que garantem a melhoria na qualidade e tem e também grandes obras, sendo uma em destaque a reforma e ampliação do hospital municipal. Na educação garantem atividades desenvolvidas nas escolas que incorporam as dimensões ambientais e promovem a responsabilidade socioambiental para a conservação, recuperação e manutenção das condições ambientais adequadas, que acontece pelos recursos indispensáveis ao desenvolvimento econômico sustentável. Acontecem oficinas nos programas e projetos de educação ambiental nas escolas. São destacadas as oficinas de reciclagem de brinquedos, artesanato, temperos naturais, plantas medicinais, visitas educativas no aterro sanitário municipal e Estação Ecológica, dessa forma os alunos aprendem na pratica a importância do cuidado com o meio ambiente, crescendo como cidadãos ambientalmente corretos. Garante emprego para os funcionários que fazem a manutenção nas unidades de conservação, assim aumentando a renda no comércio local. Este projeto também garante a parceria com Universidade Federal e Estadual responsável pelo levantamento florístico das Unidades de Conservação Prof, Dr. Marcelo Galeazzi Caxambu Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão – UTFPR-CM, Herbário HCF e acadêmicas do Curso Engenharia Florestal, Hauanna Zubek, Alice Caetano Schroeter, Gustavo Guazzelli Medeiros Teixeira. E Responsável pela mastofauna das Unidades de Conservação, o Biólogo e Dr. Sérgio Bazilio, CRBio nº 34352-03D e acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Paraná de União da Vitória - UNESPAR – Campus, Camila de Souza e Adriana Aparecida Ribeiro, sendo que as estações ecológicas municipais já resultaram em pesquisas de extrema relevância da preservação e da biodiversidade local. Detalhes dos relatórios a seguir: Fauna: Mamíferos ameaçados esperados para a Unidade Segundo Paglia (2012) a riqueza de mamíferos conhecida para o Brasil atualmente é de 701 espécies, abrangendo aproximadamente 10% da mastofauna mundial. São listadas, atualmente, 69 espécies ameaçadas de mamíferos brasileiros (CHIARELLO et al., 2008), afetadas principalmente pela destruição e redução dos ecossistemas, caça predatória, comércio ilegal, poluição dos ecossistemas, introdução de espécies exóticas, perda de fontes alimentares e uso indiscriminado de agroquímicos, entre outros fatores (MIKICH & BÉRNILS, 2004). Grande parte dessas espécies é endêmica da Mata Atlântica, uma das áreas mais devastadas do mundo, o que fez constar como uma área prioritária (hot spots) para conservação do planeta, que considera a relação entre alta diversidade biológica e pressão antrópica (MYERS et al., 2000; KLINK & MACHADO, 2005). Destas 69 espécies ameaçadas para o Brasil são esperadas para a Estação, segundo informação pessoal do Biólogo Sérgio Bazilio, treze espécies ameaçadas {Paca (Cuniculus paca); Gato-do-mato-pequeno (Leopardusguttulus); Gato Maracajá (Leoparduswiedii); Puma (Puma concolor); Jaguatirica (Leoparduspardalis); Gato mourisco (Puma yagouarandi); Cateto (Pecari tajacu); Veado Bororó(Mazama nana);Veado Pardo (Mazama americana);Cachorro Vinagre (Speothosvenaticus); Bugio (Alouatta guariba clamintans); Lontra (Lontra longicaudis) e Tapeti (Sylvilagus brasiliensis)}. Atualmente o pesquisador Sérgio Bazilio e duas estagiárias de Biologia (Camila de Souza e Adriana Aparecida Ribeiro) contratadas de prefeitura de Nova Tebas empregam esforços e equipamentos para registrar a mastofauna da UC e confirmar a presença destas e outras espécies. Das espécies ameaçadas citadas a cima, três espécies (Cuniculus paca, Leoparduspardalise Pecari tajacu) encontram-se ameaçadas, segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção (2008) o que atestam o estado de preservação da área e sua importância como área de conservação. Flora da Unidade Foram coletadas, até a presente data, 254 amostras (Anexo) de espécies de plantas na Estação Ecológica Municipal Reinaldo Petrechen em Nova Tebas, Paraná. Destaca-se que a presença de quatro espécies ameaçadas (Tab. Xx), sendo a presença Centrosemasagittatumé bastante interessante, pois se trata de espécie com maior grau de ameaça, de acordo com a lista paranaense; assim a ocorrência desta espécie nesta área, reforça a importância da mesma como unidade de conservação. Tabela xx. Espécies Ameaçadas de Extinção Coletadas na Estação Ecológica Municipal Reinaldo Petrechen, em Nova Tebas, PR. Famíla Nome Científico Nome Vulgar Status Acanthaceae Apelandralongiflora(Lindl.) Profice Rara Acanthaceae Justicialythroides(Nees)V.A.W.Graham Junta-de-cobra-sete-sangrias Rara Cyperaceae CyperusfriburgensisBoeckeler Rara Fabaceae Faboideae Centrosemasagittatum(Humb. &Bonpl. exWilld.) Brandegee Em Perigo Orchidaceae Gomesacruciata(Rchb.f.) M.W.Chase Orquídea Rara Some-se a presença de Castela tweediique possui também alto grau de ameaça de acordo com a lista de plantas ameaçadas do Brasil, situando-se na categoria Em Perigo, na lista nacional.

Anexos

< Voltar ao Banco de Projetos