< Voltar ao Banco de Projetos

PGP-PR Tema do Ano

Voe aceleradora de negócios

Ano / Edição: 2020
Município: Ponta Grossa
Função de Governo: Administração

Diagnóstico

O estado do Paraná possui mais de 636.805 mil microempreendedores individuais. No município de Ponta Grossa este número ultrapassa 18.881 (Portal do Empreendedor, junho/2020). Atualmente a Sala do Empreendedor de Ponta Grossa formaliza em média 150 MEIs mensalmente. Numero este, que se encontra em constante crescimento por diversos fatores, entre eles: a flexibilização das leis trabalhistas que propiciou a terceirização de diferentes serviços, as taxas de desemprego e ainda a procura de quem busca uma oportunidade de negócio próprio ou atua na informalidade e deseja se regularizar. A crescente da demanda de MEIs no município é proporcional ao aumento dos desafios encontrados por estes empreendedores em se manter no mercado e crescer de forma sustentável. Com isso, a Coordenadoria de Fomento ao Empreendedorismo buscou complementar os serviços já prestados pelo município, justificado pelo fato do ente federativo em questão ser favorável à criação de novos negócios. O programa de aceleração Voe é uma iniciativa inédita no Paraná, idealizado com objetivo de auxiliar os microempreendedores individuais no processo de crescimento e desenvolvimento do seu negócio, de forma consistente e integrada, com foco no autoconhecimento, capacitação, criatividade e inovação. Lançado em 2018, é um programa de aceleração de negócios voltada para os microempreendedores individuais (MEIs), com foco em proporcionar aos microempresários uma nova visão do seu negócio através de capacitações, permitindo aos participantes uma reestruturação da empresa através da inovação. Através da Coordenadoria de Fomento ao Empreendedorismo, Sala do Empreendedor, Faculdades, SEBRAE e outras empresas parceiras que o projeto está sendo coordenado, planejado e executado. Estas parcerias contribuem para que os participantes tenham a oportunidade de conhecer e frequentar ambientes criativos que auxiliam na inovação, de receber consultorias e avaliar o planejamento empresarial e financeiro, de participar de palestras e de encontros presenciais, oferecendo um clima favorável para que o empreendedor se reconheça como um verdadeiro empresário, aprendendo a importância de separar suas dívidas pessoais com o financeiro da empresa, conhecer seus clientes, seus concorrentes e direcionar sua atuação no mercado. O programa VOE já capacitou mais de 100 microempreendedores individuais, 12 destas empresas já desenquadraram da categoria fiscal do MEI para se enquadrar como ME. As empresas participantes, através da aplicação dos conhecimentos adquiridos, metodologia “mão na massa” e ferramentas desenvolvidas na capacitação do programa, padronizaram seus processos, adotaram controles financeiros no empreendimento, inovaram seus serviços/produtos, investiram em novas máquinas e equipamentos e estão em constante crescimento. O Ambiente de Negócios do munícipio de Ponta Grossa é muito favorável para abertura de novos empreendimentos. Entretanto para que os MEIs possam prosperar e, portanto crescer e migrar de porte empresarial de MEI para Microempresa (ME) ou Empresa de Pequeno Porte (EPP), se faz necessária a capacitação, orientação e acompanhamento. Sendo assim a VOE aceleradora de negócios vem contribuir nesse sentido na medida em que sua metodologia possibilita alavancar o crescimento através de inovação modelo de negócios.

Descrição

O programa é ofertado duas vezes ao ano, com duração de 4 meses, sendo uma aceleração no primeiro semestre e outra no segundo. Em um primeiro momento os empresários realizam suas inscrições através do site ou e-mail, as quais são selecionadas pela coordenação (https://www.pontagrossa.pr.gov.br/voe/ ). Antes da seleção e homologação das inscrições, os empresários podem participar de um workshop ‘Para que servem suas asas?’ onde é apresentada a metodologia do programa de aceleração VOE. O projeto é desenvolvido e dividido em 3 etapas (voos), sendo elas: • 1 Vôo – Conhecendo o seu Negócio; • 2 Vôo – Construindo e planejando o seu modelo de negócio; • 3 Vôo – Validando o crescimento do seu negócio. O primeiro Vôo consiste no empreendedor conhecer o seu negócio, através de capacitação presencial na área financeira/tributária, com o intuito de conhecer o seu negócio e as diferentes faixas de tributação do crescimento. Além de crédito e importância da marca para o negócio. É a separação da pessoa física da jurídica. No segundo Vôo o empreendedor irá construir e planejar o seu modelo de negócio, através de workshops com as ferramentas de criatividade e inovação tais como: Design Thinking e Canvas e, sendo mesclado com Labs de troca de experiências, além de Storytelling. Já no terceiro Vôo o empreendedor irá validar o crescimento do seu negócio, ter claro o modelo de negócio para o empreendimento, recursos para estrutura, equipe e finanças para se tornar uma microempresa (ME) ou reestruturar processos gerenciais. A fase de mentorias e consultorias individuais (integrante do terceiro Voo) consistem no processo de orientação com consultores e empresários para discussão, correção e validação de questões cruciais para o sucesso do negócio. O programa é finalizado com a apresentação das empresas (pitch) para a banca, as quais relatam a situação da empresa antes, durante e depois da VOE, as mudanças imediatas ou planejadas que contribuíram para o seu crescimento empresarial. A última etapa a ser realizada é a entrega dos certificados de conclusão mediante graduação e cerimonial com a presença do prefeito, dos responsáveis pela aceleradora e dos parceiros. As etapas são desenvolvidas através de parcerias, com facilitadores capacitados em diversas áreas, que contribuem com o programa VOE através da disponibilidade de seu tempo e principalmente do seu conhecimento. Pelo fato do programa ser gratuito, o único investimento do empresário é o seu tempo, onde deverá participar efetivamente dos encontros, sendo esta uma exigência da aceleradora, com frequência mínima de 95%. O intuito da VOE é preparar o empresário para enfrentar seus desafios e para isso é de extrema importância que o mesmo se comprometa com os conteúdos disponibilizados. Por se tratar de uma aceleradora de negócios o ritmo das atividades é bem intenso, necessitando de muita interação por parte dos facilitadores e empresários, visto que a metodologia é baseada em “mãos na massa”, ou seja, o empreendedor trabalhará no seu modelo de negócio. Toda a metodologia tem como pilar estruturante a criatividade e a inovação.

Objetivos

Gerais:

No intuito de promover o desenvolvimento do microempreendedor individual, no que diz respeito ao processo de crescimento empresarial, tornando-o de empreendedor a empresário, o município criou o programa de aceleração com auxílio de parceiros com o seguinte objetivo: • Criar um programa de aceleração para o desenvolvimento de políticas públicas com foco no crescimento empresarial planejado e sustentável.

Específicos:

• Capacitar e auxiliar os MEIs no desenvolvimento e validação do seu negócio, a partir da utilização de metodologias inovadoras como design thinking e storytelling; • Contribuir para que os MEIs possam progredir, e alcançar a transição de MEI para Microempresa (ME) ou Empresa de Pequeno Porte (EPP); • Gerar emprego e renda; • Utilizar a criatividade e a inovação incremental como ferramenta para diferenciação na oferta de serviços/produtos ao público alvo; • Assegurar ao MEI o tratamento diferenciado e favorecido, com vistas a consolidar o programa como uma política pública efetiva ao público alvo; • Contribuir para o desenvolvimento econômico, fiscal e social do município de Ponta Grossa.

Metas a atingir:

O programa de aceleração tem como meta anual a ser atingida a oferta de 2 acelerações por ano, sendo uma a cada semestre e a participação de 50 empresas ano. Não há meta de porcentagem de quantas empresas precisem ser desenquadradas da figura do MEI. A meta principal a ser atendida é que o pequeno empreendedor consiga através da adoção de inovação incremental, conseguir diferenciar seu negócio, fazendo com que esse se destaque no mercado, e assim possa se tornar sustentável.

Cronograma

Físico:

Elaboração do projeto agosto/ 2017 Estabelecimento de parcerias agosto/2017 Desenvolvimento da Homepage setembro/2017 Lançamento do Programa dezembro/2017 Abertura das inscrições 1º março/2018 Inicio da aceleração 03/2018 Graduação 1ª turma 07/2018 Abertura das inscrições 2º turma - julho/2018 Inicio da aceleração 08/2018 Graduação 2ª turma 11/2018 Abertura das inscrições 3ª turma 02/2019 Inicio da aceleração 03/2019 Graduação 3ª turma 07/2019 Abertura das inscrições 4ª turma 07/2019 Inicio da aceleração 07/2019 Graduação 4ª turma 11/2019 Abertura das inscrições 5ª turma 02/2020 Inicio da aceleração 03/2020 Reajuste da metodologia para aulas a distância visto a Pandemia do Covid-19 04/2020 Graduação 5ª turma em andamento

Financeiro:

As acelerações ocorrem a cada semestre. Desta forma há um calendário semestral de desembolso financeiro por parte de cada instituição. Visto que se refere a disponibilização de local, mão de obra de facilitador e de equipe técnica para acompanhamento do programa.

Orçamento:

Ano 2018 Prefeitura Municipal de Ponta Grossa R$ 5.000,00 Faculdades Ponta Grossa R$ 3.000,00 HubUp coworking R$ 3.000,00 Demais Parceiros R$ 3.000,00 Ano 2019 Prefeitura Municipal de Ponta Grossa R$ 5.000,00 Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa R$ 3.000,00 HubUp coworking R$ 3.000,00 SEBRAE R$ 1.200,00 Demais Parceiros R$ 3.000,00 Ano 2020 Prefeitura Municipal de Ponta Grossa R$ 2.000,00 Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa R$ 300,00 HIVE coworking R$ 150,00 SEBRAE R$ 400,00 Demais Parceiros R$ 500,00

Beneficiários Diretos:

São beneficiados no projeto diretamente 50 MEIs a cada ano no município. Também são beneficiadas 10 empresas enquadradas no porte ME, sendo 5 a cada semestre.

Beneficiários Indiretos:

São beneficiários do programa os 19.000 MEIs existentes no município. Porém, de modo geral toda a sociedade acaba sendo beneficiada pelo programa, na medida em que o crescimento e prosperidade das pequenas empresas, gera um ciclo virtuoso de desenvolvimentismo, na medida em que fixa os recursos na cidade, através da geração de novos empregos, rendas e impostos.

Resultados:

Através do programa de aceleração VOE, foram capacitados mais de 40 microempresários no ano de 2018, das quais 5 empresas já estão passando por processo de desenquadramento. Sendo estas: • Andre Luiz Balansin 08299354951 / CNPJ 28.165.096/0001-67; • Eliane de Fátima Camargo Martins 45149992968 / CNPJ 26.333.467/0001-47; • Jonathan Wilian Tavares 07457084983 / CNPJ 26.580.812/0001-47; • Liliam Alves de Almeida Souza 27120568841 / CNPJ 25.453.886/0001-50; • Silvana Xavier 73593540991 / CNPJ 21.324.689/0001-80. As demais empresas participantes mudaram os processos gerenciais em seu negócio, afetando por consequência seu desenvolvimento. Um exemplo é a empresa Vidrolar (empresa participante da primeira turma), a empresária Camila Lourena Monico inovou em sua vidraçaria adquirindo um container para ser o escritório da empresa (projeto desenvolvido durante o programa), além de padronizar processos, desenvolveu planilhas para controle tanto para material quanto para orçamentos, implantou efetivamente o pós venda, além de agregar valor nos produtos, como: garantia e manutenção, esclarecimentos e acompanhamentos dos clientes, utilizar novas estratégias de markenting via redes sociais, sendo uma destas a aquisição do Instagram para a empresa, hoje o trabalho é efetuado com metas e ações. Através do segundo vôo a empresa percebeu um nicho de mercado que já colocou em prática prestanto serviços em horários diferenciados para atender clientes que trabalham em horário comercial. A empresária Genifa Romy Menezes d Alva Teixeira - graduada na segunda turma -, mudou a marca de “Afro Braids Tranças” para “Temini Tranças Afro” com finalidade de retratar o verdadeiro propósito da empresa. Ainda durante o programa a empreendedora percebeu um novo nicho de mercado, onde fez parceria com a Barbearia Jhon Barber (parceiro do programa) passando a atender também o público masculino. Além disso, o espaço físico ganhou pintura nova, artefatos e musicas africanas, uniforme personalizado para a equipe, implantou a participação da empresa em atividades de cunho social através do Festival de Expressão Afro organizado pela Fundação Cultural, conquistando a classificação na semifinal do desafio Paraná. E com o conhecimento dos diferentes perfis de seus clientes realiza melhores direcionamentos de marketing pelas redes sociais para atingir seus respectivos públicos. A empresária Angela Verlindes dos Anjos – graduada na primeira turma de 2018 -, aprendeu valorizar o seu produto, através da formação de preço, e consequentemente aumentou sua confecção de lingeries tendo que investir em maquinas. Atualmente está trabalhando em cima da marca na alteração do nome e no registro da mesma. A empresa Preguicinha CNPJ: 26.333.467/0001-47 um dos MEIs que está em processo de desenquadramento, através do programa percebeu que deveria focar apenas em confecção de roupas para bebe, onde diminuiu a quantidade de tipos de tecidos, a empresária antes do programa tinha adquirido uma demanda de tecidos para aproveitar a oferta, porém teve prejuízo em tecidos que vieram juntos e que a mesma não utilizava em seu processo, com a VOE percebeu a necessidade de girar este capital que estava parado conseguindo trocar esses tecidos com outro empresário de Santa Catarina por tecidos para roupas de bebe. A empresa sempre priorizou o conforto da criança pensando nas mães, porém notou-se a necessidade de bordar as roupas, já que o seu cliente é o lojista. Além disso, conseguiu separar o financeiro da pessoa física com pessoa jurídica, através de controle financeiro. Com as metodologias utilizadas no programa a empreendedora notou que os uniformes confeccionados e comercializados para uma empresa mensalmente, paga as custas do seu empreendimento, com isso, irá buscar empresas para firmar novas parcerias.

Anexos

< Voltar ao Banco de Projetos