A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados discutiu nesta sexta (9) os caminhos para incorporar na reforma tributária os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODSs) assumidos com a Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015.

Estudo do WRI mostra que, nos próximos dez anos, é possível criar mais de 2 milhões de empregos investindo em economia verde e incrementar o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2,8 trilhões de reais até 2030.

O deputado federal Nilto Tatto (PT/SP) ressaltou que esta é a década de ação para implementar os ODSs e a reforma tributária em debate no Congresso deve estar alinhada com a Agenda 2030 – compromisso internacional assumido pelo Brasil que prevê a adoção de medidas para o desenvolvimento sustentável.

No Congresso Nacional, o debate em torno da reforma tributária se concentra em duas propostas de emenda à Constituição (PECs): a 110/2019, do Senado Federal, e a PEC 45/2019, da Câmara dos Deputados.

Coordenador da frente parlamentar mista dos ODSs, Tatto lamentou que o país mantenha subsídios para setores da agricultura que geram danos à saúde das pessoas.

Ele citou especificamente a concessão de R$ 10 bilhões em isenção fiscal para o segmento de agrotóxicos. “Quando colocarmos na balança o quanto a gente gasta para tratar as doenças causadas pelo veneno, a gente vai ver que o Brasil está pagando caro por esse modelo de agricultura que promove a morte”, disse.

Tanto o parlamentar quanto os especialistas convidados defendem a incorporação do conceito 3S na reforma tributária: solidária, saudável e sustentável.

Para Mônica Andreis, diretora executiva da ACT Promoção de Saúde, a reforma não deve ter como único propósito a simplificação tributária.

“Também pode ser uma reforma tributária que promova uma sociedade mais solidária, mais saudável, mais sustentável. Daí o conceito de uma reforma tributária 3S”, diz.

Claudio Fernandes, representante do Grupo de Trabalho Agenda 2030, citou a reunião conjunta do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial esta semana, que trouxe como tônica geral o estímulo para que países maximizem a disponibilidade de recursos às pessoas e avancem no combate às mudanças climáticas.

“[Para isso] eles devem eliminar os incentivos e subsídios a setores econômicos poluidores e causadores de externalidades negativas para a saúde e o meio ambiente”, destacou.

Com informações da Agência Câmara

Fonte: EPBR

Relacionados

7 DE MAIO DE 2021

Prêmio Gestor Público entrega troféu ao município de Campo Mourão

Projeto Campo Mourão + Ativa inovou durante a pandemia e foi um dos premiados da 8ª...

5 DE MAIO DE 2021

PGP-PR entrega Menção Honrosa para Câmara Municipal de Mandaguari

Projeto Lupa Legislativa foi destaque nas edições 2019 e 2020 da premiação

3 DE MAIO DE 2021

Morre Luiz Alberto Antônio, presidente eleito da Uvepar

Luiz morreu neste domingo, 2 de maio, aos 53 anos. Ele estava internado desde o dia 25 de...

29 DE ABRIL DE 2021

Governo mobiliza municípios para fortalecer a assistência social

O objetivo segue a determinação do Governo do Estado em aproximar a gestão estadual...

29 DE ABRIL DE 2021

Quatro municípios participarão de projeto-piloto para tratamento de resíduos

Iniciativa faz parte do programa Lixo 5.0 da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e...

29 DE ABRIL DE 2021

Escola de Gestão promove palestra sobre licitações aberta ao público

Ministrada pelo procurador do Estado Hamilton Bonatto, a palestra será no dia 10 de...