CONFIRA O PROGRAMA BOM GESTOR PÚBLICO SOBRE ESSE PROJETO:

Monitoramento de Doenças e Parasitismo em Percevejos nas Culturas Soja e Milho fez com que os produtores reduzissem a quantidade de agrotóxicos

A agricultura é uma das principais atividades econômicas de diversas cidades do Paraná, sobretudo as menores, em que a principal fonte de renda dos habitantes é a produção agrícola. Um desses municípios é São Jorge do Ivaí, no Norte Central do Paraná, que notou o uso excessivo de agrotóxicos nas plantações de soja e milho safrinha. Foi então que a prefeitura desenvolveu o projeto de Monitoramento de Doenças e Parasitismo em Percevejos nas Culturas Soja e Milho.

Prefeito de São Jorge do Ivaí, André Luiz Bovo, recebe o Troféu PGP-PR pelo Monitoramento de Doenças e Parasitismo em Percevejos nas Culturas Soja e Milho

A gestão municipal percebeu que o uso de agrotóxicos contra o percevejo barriga verde (Dichelops melacanthus) e percevejo marrom (Euschistus heros) estavam aumentando a cada produção, prejudicando a saúde dos consumidores, produtores, além do bolso deste último, que via o custo aumentar cada vez mais. A prefeitura, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR), realizaram reuniões de sensibilização com os produtores sobre os problemas causados pelo uso desenfreado de agrotóxicos. Foi então proposta uma alternativa: monitorar as pragas e doenças, reduzindo também a quantidade de inseticida utilizado.

Os custos com o projeto estão previstos dentro do orçamento da pasta da Agricultura e Meio Ambiente e também da Saúde do município. Durante o projeto, foram desenvolvidas armadilhas para percevejos, composta de grãos de soja e de amendoim, feijão-vagem e algodão embebido em água. Nas propriedades dos produtores que participaram do projeto foram colocadas armadilhas em cinco diferentes níveis topográficos da área do agricultor, buscando avaliar a população e o nível de parasitismo em percevejos. Isso fez com que o produtor tivesse noção das áreas mais afetadas pelos parasitas.

Entre os benefícios do projeto estão a diminuição da utilização de agrotóxicos: houve redução de 8,13 litros de agrotóxicos quando se compara o consumo das áreas com e sem monitoramento de pragas e doenças, contribuindo para a saúde de quem produz e de quem consome. A produtividade das lavouras também aumentou: 150 sacas de soja por alqueire nas áreas que receberam o projeto, contra 135 dos produtores que utilizam inseticidas. Assim, os custos diminuíram, resultando em mais renda aos produtores participantes. Os bons resultados garantiram ao projeto o Prêmio Gestor Público Paraná (PGP-PR) 2018, uma das premiações mais importantes desse segmento no país.

Mais informações sobre esse projeto e sobre outras iniciativas premiadas no PGP-PR, você encontra no nosso Banco de Projetos.

Relacionados

13 DE NOVEMBRO DE 2020

Moradores participam ativamente da gestão pública em Cascavel

Os voluntários do Território Cidadão - Cascavel Desenvolvimento Territorial repassam...

30 DE OUTUBRO DE 2020

Araucária melhora educação com formação continuada para professores

Psicomotricidade e Afetividade: O Comprometimento Afetivo no Fazer Pedagógico –...

23 DE OUTUBRO DE 2020

Ponta Grossa acaba com problemas de enchentes e recupera meio ambiente

Planejamento Ecológico do Arroio Olarias fiscalizou moradias, promoveu a regularização...

16 DE OUTUBRO DE 2020

Guaíra investe em tecnologia da informação e amplia atendimento do SUS

Projeto Saúde Digital investiu em equipamentos novos de informática e atualização de...

9 DE OUTUBRO DE 2020

Santana do Itararé aumenta produção de leite e combate êxodo rural

Programa de Inseminação Artificial melhorou a genética do gado e aumentou a renda dos...

2 DE OUTUBRO DE 2020

Paranavaí investe em tecnologia para gestão da malha asfáltica

GeMap mapeou as ruas da cidade, auxilia na gestão do asfalto e na decisão racional dos...